Processus de galvanisation testé et éprouvé.

La galvanisation à chaud est un processus d’application de revêtements de zinc à des composants d’acier ou fer fondu par immersion du composant dans un bain de zinc fondu.

La simplicité de la procédure de galvanisation à chaud est un avantage sur d’autres méthodes de protection contre la corrosion.

Notre produit se divise dans les suivantes phases:

1. Dégraissage – Bain dans une solution acide pour la suppression d’huiles, masses et autres graisses.
2. Rinçage – Lavage réalisé pour éviter la contamination des bains suivants.
3. Décapage chimique en acide – Bain en Acide Chlorhydrique Commercial pour l’élimination d’oxydes et roussissements.
4. Rinçage – Lavage réalisé pour éviter la contamination des bains suivants.
5. Bain de flux – Solution de Chlorure de zinc et Chlorure d’Ammonium, qui fonctionne comme un protecteur contre l’oxydation entre le décapage et l’immersion dans le bain de zinc. De plus, il fonctionne comme mouillage des pièces dans le bain de zinc.
6. Séchage – Stage dans un four à 60ºC pour le séchage des pièces et réduction du choc thermique, lors de l’immersion dans le bain de zinc.
7. Bain de zinc – Immersion dans le zinc fondu entre 440ºC et 465ºC pour la réaction entre Fe/Zn, qui compose le revêtement final.

Catalogue de Galvanisation

Portfolio Showcase does not exist!

A simplicidade do processo de galvanização a quente é uma vantagem sobre outros métodos de proteção contra a corrosão.

A história da galvanização a quente tem início no ano de 1741, quando um químico francês chamado Melouin descobriu que o zinco era capaz de proteger o aço da corrosão. Ele apresentou os fundamentos do método em uma reunião na Academia Real Francesa. Entretanto, o método não foi muito utilizado até que outro químico francês, Sorel, obteve a patente, em 10 de Maio de 1837, introduzindo a decapagem sulfúrica (a 9%) e a fluxagem com cloreto de amônio como etapas anteriores e fundamentais do processo. A principal parte do processo patenteado por Sorel é ainda atualmente utilizada. Em um apêndice à sua patente, datado de Julho de 1837, Sorel denominou o método de “galvanização”, referindo-se à cela galvânica que é criada quando o revestimento de zinco é danificado. Como visto anteriormente, o aço é protegido galvanicamente pelo revestimento de zinco.

O termo foi subsequentemente adotado a outros métodos de revestimento do aço pelo zinco, e, algumas vezes, é utilizado para a deposição metálica eletrolítica em geral. Para evitar confusão, a imersão do aço em zinco líquido deve ser referida como galvanização a quente.

Uma patente inglesa para um processo similar foi depositada em 1837. Em 1850, a indústria de galvanização inglesa já utilizava 10.000 ton de zinco por ano na proteção do aço.

A galvanização pode ser encontrada em quase que todo tipo de aplicação e indústria onde o aço é empregado. As indústrias de utilidades domésticas, processos químicos, papel e celulose, construção civil, transporte, para numerar algumas poucas, tem feito grande uso, histórico, da galvanização, no controle da corrosão. Por mais de 140 anos, a galvanização a quente tem sido um sucesso comercial como método de proteção frente à corrosão de uma grande variedade de aplicações, por todo o mundo.

Em qualquer situação onde o zinco é corroído como revestimento de sacrifício para o aço, a massa do zinco disponível determinará o desempenho frente à corrosão.