Proceso de Galvanización probado y comprobado.

La galvanización en caliente es un proceso de aplicación de recubrimientos de zinc a los componentes de acero o hierro fundido por inmersión del componente en un baño de zinc fundido.

La simplicidad del proceso de galvanización en caliente es una ventaja sobre otros métodos de protección contra la corrosión.

Nuestro proceso se divide en las siguientes etapas:
1. Desengrase – Baño en una solución alcalina para la supresión de aceites, masas y otras grasas.
2. Enjuague – Baño de agua para evitar la contaminación de los baños siguientes.
3. Decapado químico en acido – Baño en acido clorhídrico para la eliminación de óxido y calaminas.
4. Enjuague – Baño de agua para evitar la contaminación de los baños siguientes.
5. Baño de sales – Solución de cloruro de zinc y cloruro de amonio que actúa como protector contra la oxidación entre el decapado y la inmersión en el baño de zinc. Además actúa como humectante de las piezas en el baño de zinc.
6. Secado – Etapa en horno a 60ºC para secar las piezas y reducir el choque térmico cuando la inmersión en el baño de zinc.
7. Baño de zinc – Inmersión en un baño de zinc fundido a temperatura comprendida entre 440ºC y 465ºC para la reacción entre Fe/Zn que compone el recubrimiento final.

Catálogo de Galvanización

Portfolio Showcase does not exist!

A simplicidade do processo de galvanização a quente é uma vantagem sobre outros métodos de proteção contra a corrosão.

A história da galvanização a quente tem início no ano de 1741, quando um químico francês chamado Melouin descobriu que o zinco era capaz de proteger o aço da corrosão. Ele apresentou os fundamentos do método em uma reunião na Academia Real Francesa. Entretanto, o método não foi muito utilizado até que outro químico francês, Sorel, obteve a patente, em 10 de Maio de 1837, introduzindo a decapagem sulfúrica (a 9%) e a fluxagem com cloreto de amônio como etapas anteriores e fundamentais do processo. A principal parte do processo patenteado por Sorel é ainda atualmente utilizada. Em um apêndice à sua patente, datado de Julho de 1837, Sorel denominou o método de “galvanização”, referindo-se à cela galvânica que é criada quando o revestimento de zinco é danificado. Como visto anteriormente, o aço é protegido galvanicamente pelo revestimento de zinco.

O termo foi subsequentemente adotado a outros métodos de revestimento do aço pelo zinco, e, algumas vezes, é utilizado para a deposição metálica eletrolítica em geral. Para evitar confusão, a imersão do aço em zinco líquido deve ser referida como galvanização a quente.

Uma patente inglesa para um processo similar foi depositada em 1837. Em 1850, a indústria de galvanização inglesa já utilizava 10.000 ton de zinco por ano na proteção do aço.

A galvanização pode ser encontrada em quase que todo tipo de aplicação e indústria onde o aço é empregado. As indústrias de utilidades domésticas, processos químicos, papel e celulose, construção civil, transporte, para numerar algumas poucas, tem feito grande uso, histórico, da galvanização, no controle da corrosão. Por mais de 140 anos, a galvanização a quente tem sido um sucesso comercial como método de proteção frente à corrosão de uma grande variedade de aplicações, por todo o mundo.

Em qualquer situação onde o zinco é corroído como revestimento de sacrifício para o aço, a massa do zinco disponível determinará o desempenho frente à corrosão.